Kambô (Phyllomedusa bicolor) e a "vacina-do-sapo"

    A Phyllomedusa bicolor é um anfíbio da Família Hylidae encontrado na Amazônia e conhecido pela sua utilização na medicina tradicional de alguns povos indígenas. Da família das pererecas (Hylidae), apresenta discos adesivos na ponta dos dedos, que utiliza para escalar a vegetação (de hábitos arborícolas). É a maior espécie do gênero, podendo chegar a 11,8 cm de comprimento (comprimento rostro-anal) e também um dos maiores hilídeos da Amazônia. 

    Apesar de ser uma perereca, é chamada de sapo pelos povos que vivem nas florestas (indígenas, ribeirinhos e extrativistas). Os indígenas da língua Pano (Katukina, Kaxinawá) chamam esse anfíbio de Kambô ou Kampu, assim como também a aplicação de sua secreção (veneno) em seres humanos (É comum ouvirmos no oeste da Amazônia perguntarem: "Você já tomou Kambô?).

    A Phyllomedusa bicolor é encontrada nas florestas e durante os meses de reprodução os machos vocalizam empoleirados em árvores e arbustos em alturas de até 10 metros. Os ovos são colocados sobre a vegetação nas margens de igapós e quando os girinos eclodem, caem no ambiente aquático. A distribuição dessa espécie de anfíbio compreende a Amazônia brasileira e também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia.

 

        Indígenas de algumas etnias (Katukina, Kaxinawá) retiram a secreção de coloração branca que esse anfíbio anuro exala ao ser molestado e a conservam em palhetas de madeira para depois realizarem a aplicação da "vacina-do-sapo". Esse veneno da Phyllomedusa bicolor é rico em peptídeos e o animal utiliza como mecanismo de defesa, uma vez que vários predadores podem morrer ou então ter uma experiência desagradável ao tentar ingerir esse anfíbio.

 

    A "vacina ou injeção-do-sapo" é aplicada em uma pessoa da seguinte forma: queima-se com um pequeno cipó ("titica") o braço do homem (nas mulheres é feita na perna) fazendo-se vários pontos, por onde o veneno retirado da palheta é aplicado em cada uma dessas pequenas queimaduras. Os sintomas são quase que imediatos, a pessoa passa por um grande desconforto (um forte calor, náuseas, dor no estômago, vômitos, etc) durante aproximadamente 15 minutos, tendo um grande alívio após a retirada com água do veneno sobre sua pele.

    Há séculos os indígenas utilizam o Kambô como uma forma de medicina da floresta, para fortalecer o sistema imunológico e também para afastar o "panema" (má sorte). Com a colonização do Acre, seringueiros aprenderam essa técnica e atualmente a aplicação da "vacina-do-sapo" já ocorre em várias regiões do Brasil, especialmente nos grandes centros urbanos. 

    Muitos dos que experimentaram essa vacina gostaram, mas nada existe comprovado cientificamente sobre os possíveis benefícios da aplicação da secreção bruta desse veneno em um ser humano. Foi observado que “in vitro” peptídeos isolados do veneno de espécies de Phyllomedusa apresentam ação antimicrobiana contra algumas bactérias (Ex. Pseudomonas aeruginosa), protozoários (Ex. Leishmania amazonensis, Plasmodium falciparum e Trypanosoma cruzi) e até a inibição também “in vitro” da infectividade do vírus HIV. Isso demonstra a grande importância que os anfíbios tem para os seres humanos com a possibilidade de descoberta de novos medicamentos.

    São necessários mais estudos sobre esse rico potencial farmacológico dos anfíbios e também uma atenção especial das autoridades com o risco de biopirataria e ou de tráfico desses animais e de sua secreção e de impactos sobre as populações de Phyllomedusa bicolor.  

Gostou do Site?! Clique "Curtir" na Página Herpetofauna do Facebook e veja novidades: HERPETOFAUNA

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

BERNARDE, P. S. & SANTOS, R. A. 2009. Utilização medicinal da secreção (“vacina-do-sapo”) do anfíbio kambô (Phyllomedusa bicolor) (Anura: Hylidae) por população não-indígena em Espigão do Oeste, Rondônia, Brasil. Biotemas 22(3):213-220.(LINK PARA O ARTIGO)


BRAND, G. D.; LEITE, J. R.; SILVA, L. P.; ALBUQUERQUE, S.; PRATES, M. V.; AZEVEDO, R. B.; CARREGARO, V.; SILVA, J. S.; SÁ, V. C.; BRANDAO, R. A. & BLOCH JR., C. 2002. Dermaseptins from Phyllomedusa oreades and Phyllomedusa distincta: Anti- Trypanosoma cruzi activity without cytotoxicity to mammalian cells. Journal of Biological Chemistry 277(51):49332-49340.(LINK PARA O ARTIGO)


BRAND, G. D.; LEITE, J. R.;MANDEL, S. M. S.; MESQUITA, D. A.; SILVA, L. P.; PRATES, M. V.; BARBOSA. E. A.; VINECKY, F.; MARTINS, G. R.; GALASSO, J. H.; KUCKELHAUS, S. A. S.; SAMPAIO, R. N. R.; FURTADO, J. R.; ANDRADE, A. C. & BLOCH JR., C. 2006. Novel dermaseptins from Phyllomedusa hypochondrialis (Amphibia). Biochem. Biophys Res. Commun. 347:739-746.(LINK PARA O ARTIGO)

CALDERON, L. A.; SILVA, A. A.; CIANCAGLINI, P. & STABELI, R. G. 2010. Antimicrobial peptides from Phyllomedusa frogs: from biomolecular diversity to potential nanotechnologic medical applications. Amino Acids 40(5):29-49.(LINK PARA O ARTIGO)

CALDERON, L. A.; SILVA-JARDIM, I.; ZULIANI, J. P.; SILVA, A. A.; CIANCAGLINI, P.; SILVA, L. H. P. & STÁBELI, R. G. 2009. Amazonian biodiversity: a view of drug development for leishmaniasis and malaria. J. Braz. Chem. Soc. 20(6):1011-1023.(LINK PARA O ARTIGO)

DALY, J. W.; CACERES, J.; MONI, R. W.; GUSOVSKY, F.; MOOS JR., M.; SEAMON, K. B.; MILTON, K. & MYERS, C. W. 1992. Frog secretions and hunting magic in the upper Amazon: Identification of a peptide that interacts with an adenosine receptor. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 89:10960-10963.(LINK PARA O ARTIGO)


GESISKY, J. 2004. Descoberta nova espécie de perereca. Ciência Hoje 34(201):40-41. (LINK PARA O ARTIGO)


GHOSH, J. K.; SHAOOL, D.; GUILLAUD, P.; CICERON, L. MAZIER, D.; KUSTANOVICH, I.; SHAI, Y. & MOR, A. 1997. Selective cytotoxicity of dermaseptin S3 toward intraerythrocytic Plasmodium falciparum and the underlying molecular basis. Journal of Biological Chemistry 272:31609-31616.(LINK PARA O ARTIGO)


KRUGLIAK, M.; FEDER, R.; ZOLOTAREV, V. Y.; GAIDUKOV, L.; DAGAN, A.; GINSBURG, H. & MOR, A. 2000. Antimalarial activities of dermaseptin S4 derivates. Antimicrob. Agents Chemother 44:2442-2451.(LINK PARA O ARTIGO)


LEITE, J. R. S. A.; SILVAC, L. P.; RODRIGUES, M. I. S.; PRATES, M. V.; BRAND, G. D.; LACAVA, B. M.; AZEVEDO, R. B.; BOCCAD, A. L.; ALBUQUERQUE, S.; BLOCH JR., C. 2004. Phylloseptins: A novel class of anti-bacterial and anti-protozoan peptides from the Phyllomedusa genus. Peptides 26 (4): 565-573.(LINK PARA O ARTIGO)


LIMA, E. C. & LABATE, B. C. 2007. “Remédio da Ciência” e “Remédio da Alma”: Os usos da secreção do Kambô (Phyllomedusa bicolor) nas cidades. Campos 8(1):71-90.(LINK PARA O ARTIGO)


LORIN, C.; SAIDI, H.; BELAID, A.; ZAIRI, A.; BALEUX, F. & HOCINI, H. 2005. The antimicrobial peptide dermaseptin S4 inhibits HIV-1 infectivity in vitro. Virology 334:264-275.(LINK PARA O ARTIGO)


PRATES, M. V. & BLOCH JR., C. 2000. Peptídeos antimicrobianos. Revista Biotecnologia, Ciência & Desenvolvimento 3 (17):30-36.(LINK PARA O ARTIGO)


SOUZA, M. B. 2009. Anfíbios – Reserva Extrativista do Alto Juruá e Parque Nacional da Serra do Divisor, Acre. Série Pesquisa e Monitoramento Participativo em Áreas de Conservação Gerenciadas por Populações Tradicionais. Volume 2. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) Unicamp, Campinas, 77 p.

Todas fotografias são de minha autoria (Paulo Sérgio Bernarde) Pictures by Paulo Sérgio Bernarde

SAIBA MAIS SOBRE ANFÍBIOS E RÉPTEIS NO LIVRO:

                   

PÁGINA INICIAL FOTOS DE ANIMAIS TEXTOS SOBRE ANFÍBIOS E RÉPTEIS
CURRÍCULO ARTIGOS PARA DOWNLOAD LIVROS A VENDA