ÓRGÃOS SENSORIAIS DAS SERPENTES

    O olfato é o sentido básico das cobras, sendo que algumas espécies também apresentam um órgão termo-orientador (capaz de detectar temperatura) e a visão é mais ou menos desenvolvida dependendo da espécie. O tímpano e o ouvido externo estão ausentes nas cobras, sendo, portanto, a audição pouco desenvolvida e elas podem captar vibrações no substrato.

    Todas as cobras apresentam o olfato (quimiorrecepção) desenvolvido, elas dardejam a língua bífida (bifurcada) capturando moléculas odoríferas do ambiente e transportando até o Órgão de Jacobson situado no céu da boca, onde processam as informações.

    As serpentes não apresentam uma visão boa, sendo relativamente mais desenvolvida nas espécies de hábitos arborícolas (que apresentam atividade sobre a vegetação) e diurnas. O olho apresenta pálpebras soldadas e transparentes e é reduzido nas espécies de hábitos fossoriais (subterrâneos). Em geral as serpentes com pupila do olho redonda apresentam atividade diurna e as com pupila vertical ou elíptica são noturnas. O fato de uma cobra apresentar a pupila do olho vertical ou elíptica (ou em fenda) não necessariamente trata-se de uma espécie peçonhenta, pois os boídeos (sucuris, salamantas e jiboias) e vários colubrídeos e dipsadídeos apresentam o olho assim por serem espécies noturnas.

Jararaca ou Caissaca (Bothrops moojeni).

    A fosseta loreal (orifício localizado entre o olho e narina) dos viperídeos (jararacas, cascavéis, surucucus) e as fossetas labiais (depressões nas escamas labiais) de alguns boídeos (Ex. Corallus spp.) são órgãos que permitem a percepção de variações mínimas de temperaturas (da ordem de 0,003ºC), auxiliando na localização de presas endotérmicas (ex. roedores) durante a noite. As cobras peçonhentas no Brasil apresentam a fosseta loreal, com exceção das corais venenosas (Elapidae).

Periquitamboia ou Papagaia (Corallus batesii) – Pupila do olho elíptica ou vertical e presença de fossetas labiais.
 

Saiba mais sobre esses animais no Livro

Anfíbios e Répteis - Introdução ao estudo da herpetofauna brasileira.


 

Bibliografia consultada:

     BERNARDE, P. S. 2012. Anfíbios e Répteis - Introdução ao estudo da herpetofauna brasileira. Anolis Books, Curitiba, 320p. (Compre aqui!)

Todas fotografias são de minha autoria (Paulo Sérgio Bernarde) Pictures by Paulo Sérgio Bernarde

PÁGINA INICIAL FOTOS DE ANIMAIS TEXTOS SOBRE ANFÍBIOS E RÉPTEIS
CURRÍCULO ARTIGOS PARA DOWNLOAD LIVROS A VENDA